Skip Navigation Links
Home
Atividades 2007
Atividades 2006
Atividades 2005
Atividades 2004
Atividades 2003
Atividades 2002
Atividades 2001



Atividades 2002  
  

COEP E A ESCOLA Caminhando Juntos na Construção
da Cidadania – 2002

Em 2002 o projeto - O COEP na Escola Caminhando Juntos na Construção da Cidadania - incluiu na sua proposta de sensibilizar jovens, de 5ª à 8ª séries no exercício da cidadania, um concurso de poesia e frases mobilizadoras sobre o tema.

Cada escola escolheu as melhores frases e poesias, encaminhando-as ao COEP estadual. Este, por sua vez, indicou três para representar o seu estado na seleção nacional. As poesias foram divulgadas no site do COEP e as frases mobilizadoras, publicadas na agenda do COEP 2004.


Conheça algumas frases mobilizadoras apresentadas

Cidadania, mais que uma palavra, uma forma de vida.
Levi Francisco Parente, 7ª série, Centro de Ensino Fundamental nº 1 de Brasília/ Brasília /DF

Sei que ninguém é perfeito, mas todos nós unidos poderemos fazer um mundo sem defeitos.
Alexandra da Silva Ferreira, 7ª série, Centro de Ensino Fundamental nº 1 de Brasília/ Brasília /DF

Aquele que sabe o valor da dignidade, sabe valorizar a cidadania como base para um futuro melhor, e somos nós jovens que concretizaremos um mundo melhor, e somos nós jovens que concretizaremos este ato.
Gabriela Mendes Freitas, 8ª série, Centro de Ensino nº 1 de Brasília/ Brasília/DF

Cidadania é o relacionamento de fraternidade entre a humanidade.
Alana Joyne Araújo S. Da Silva, 6ª série, Sesi Newton Antônio da Silva Pereira/Belo Horizonte/MG

Igualdade e solidariedade é o lema de esperança dos que têm fome.
Ana Carolina da Silva Costa, 8ª série, Colégio Visconde de Souza Franco/Belém/PA

Triste condição, 8.547.403 Km2 de terras férteis e por incrível que pareça, ainda tem gente morrendo de fome no Brasil.
Vanessa de Souza, 7ª série, Colégio Dom Cabrália/Marituba/PA

Você quer um país melhor?
Comece fazendo a sua parte.
Sara Morais de Oliveira, 7ª série, Metropolitano Inst. De Educação e Cultura/ Campo Grande/ MS


Conheça algumas poesias apresentadas

Cidadania

Para Ler........

Não sou cidadã
E estarei mentindo dizendo que
Não faço nada
E odeio quando dizem que
Vamos ajudar
E me sinto feliz com a frase
Vamos depredar
E jamais direi a frase
Sou uma cidadã
Tenho que dizer a verdade
Vamos em frente

.............de baixo para cima
Obs: Depois de ler de cima para baixo leia de baixo para cima.

Ana Paula de Souza Cruz Mendonça (13 anos ), 8ª série da Escola Sebastião Fernandes de Oliveira/ Natal/RN/Professora Vanda Franco da Silva


Criança Faminta

Era dia! Nem pão comia
Era Noite! De novo, a barriga vazia.
Era madrugada e fome apertava.
Novo dia: “Bom dia”! E ninguém respondia.
O que queria era somente a alegria de um
Prato cheio de comida.

Acorda Brasil! E o Brasil não assumiu.
De novo era dia...era noite...era madrugada...
E a criança não mais acordava.

Larissa Canabrava Dahdah, 5ª série, Escola Metropolitano/Serra/ ES


A Fome

Pense! Pense em cada pessoa
Que sofre com a desnutrição
Que dia após dia
Luta por um pedaço de pão.

Pense! Pense naquela criança
Que lhe atiçou a esperança
De ver e crer
Em um mundo melhor.

Pense! Pense naquele pai de família
Que ao ir trabalhar
Não sabe com o quanto de dinheiro
No bolso irá voltar.

Pense! Pense naquela pobre criança
Que acaba de nascer
Que não sabe ao menos
Se irá viver.

Pense! Pense que para nós uma refeição
Pode pouco simbolizar
Mas talvez para outros seja a única refeição que os irão alimentar.

Pense! Pela última vez pense, num homem honesto, digno,
Honrado e pai de família
Que com pouco que tem de ajuda,
Ou outros que tem menos ainda e assim,
Colabora para construir um novo mundo.

Agora, pare de pensar e comece a agir, porque você sim
Pode reverter essa situação
E fazer deste mundo, um mundo bem melhor.
Basta Querer!.

Daniela da Costa Godoi, 7ª série, Escola Metropolitano/Diretora Claudinéia Amorim Barbosa/ Serra/ ES


FOME: Conseqüência da pobreza

Fome, muita gente passa
Qualquer cor, qualquer raça
Alessandra, Manoela
Até gente da favela.

Seja loira ou morena,
Seja grande ou pequena
Criança ou adulto,
Quando morrem, não há luto.

Os ricos passeando
Com o carro importado
Os pobres passando fome
Com o salário apertado

Em nosso país tão rico
Há tanta gente na pobreza
Enquanto os ricos cantam de alegria
Os pobres choram de tristeza

Muitos pais de família
Vivem hoje a triste sina
Pedem a Deus uma ajuda
Uma luz que os ilumine

Vivendo em sociedade
No subúrbio ou na cidade
A fome atormenta,
Pois água sem pão não alimenta

Esta criança que pede socorro
Clamando por um pedaço de pão
Anda por aí subindo o morro
E ainda dizem ser o futuro da nação

Kelly Grasiele Cristiano, série classe de aceleração/ Professora Alaides Dréyer/ EEB. Rodolfo Foss/ Maravilha/SC